google education

REDES SOCIAIS

@jopa.gram
/jopa.face
/Jopa Tube

logo jopa

Competências e habilidades do século XXI para desenvolver na educação

Foi-se o tempo em que ser organizado, criativo, pontual e proativo eram as principais características buscadas pelas equipes de recursos humanos na hora de selecionar os candidatos para as vagas de emprego. Com o mundo em constante transformação, o mercado de trabalho está cada vez mais dinâmico, competitivo e – principalmente – seletivo.

Consequentemente, além desses adjetivos, também passou-se a exigir dos profissionais competências e habilidades que vão além da formação técnica. Segundo os especialistas, as soft skills – habilidades que estão relacionadas à inteligência emocional -, estão se tornando cada vez mais valorizadas nos ambientes corporativos.

Afinal, é preciso estar preparado para suprir as atuais demandas profissionais, como por exemplo, trabalhar sob pressão – uma situação corriqueira dentro das empresas, seja pelo cumprimento do prazo ou para atingir as metas.

Os novos formatos de carreira também demandam equipes multidisciplinares, e saber interagir e se adaptar às mudanças podem ser fatores decisivos na hora de uma contratação. Assim como profissionais com capacidade de liderança e de tomada de decisões assertivas em momentos de crise são diferenciais para lidar com a nova economia.

E para atender a essa nova dinâmica, um dos grandes desafios das escolas é, justamente, formar alunos com essas competências e habilidades exigidas pelo século 21.

“É imperativo trabalhar conteúdos de maneira a não só alinhar o conhecimento ao dia a dia do aluno, como inserir atividades, dentro e fora de sala de aula, que promovam o desenvolvimento dessas soft skills, como pensamento crítico e capacidade de resolução de problemas”, pontua o gerente da Unidade de Educação Empreendedora do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) Nacional, Augusto Togni.

 

Para o gerente do Sebrae, entre as habilidades exigidas dos estudantes do século 21 estão a flexibilidade, criatividade e a capacidade de trabalhar em equipe. “Também podemos citar a capacidade de se conectar e interagir com os outros, ou seja, empatia, além da comunicação, pensamento crítico e liderança. Além disso, segundo a World Economic Fórum, as competências necessárias para uma atuação no século 21 também envolvem resolução de problemas complexos, inteligência emocional, flexibilidade cognitiva, dentre outras”, exemplifica.

E assim, aulas de meditação, momentos de reflexão em sala e professores que estimulam o desenvolvimento de habilidades socioemocionais, por exemplo, passam a ser cada vez mais frequentes nas salas de aulas para atingir as competências dos alunos em formação para atuarem no século 21. “Esperamos que os estudantes sejam engajados com o trabalho, tenham vontade, brilho nos olhos para executar as atividades, que se preocupem com a comunicação e que saibam que invariavelmente trabalharão em equipes com profissionais diversos”, afirma umas das supervisoras do CIEE, Lilene Ruy.

 

Texto originalmente publicado no site Escolas Exponenciais.

Comments are closed.